Veleiro Tá Lento, conquistando o Caribe e Europa

Publicado por Elson - Mucuripe em 20/02/2018 às 11h29

Sonhos de Mar são o combustível do Navegador. Chega um momento em que não há mais o que adiar, somente largar e partir!

Essa é mais uma belíssima história de quem ousou e foi viver seus Sonhos de Mar.

A bordo de Veleiro Tá Lento, um MJ 38, o casal Pedro Berlanga e Christina Goia está fazendo uma belíssima jornada pelo Atlântico Norte, nas águas do Caribe e seguindo para a Europa, para depois retornar ao Brasil.

Com a palavra, o comandante Pedro Berlanga:

Meu veleiro é um MJ 38 DS fabricado em 2014 que desde o início ficava na Marina 188, em Paraty.

Os planos de ir para o Caribe nasceram em 2005 quando construí um MJ 44 com essa finalidade. Infelizmente não pude ir pois minha esposa faleceu e também resolvi mudar minha empresa para Manaus, me mudando para lá. Vendi o barco.

Em 2012 voltei a morar em SP e resolvi iniciar a construção de um novo MJ, dessa vez um 38 DS, com a intenção de ir para o Caribe. Em 2014, subi a costa brasileira para participar da Refeno e retornei para Paraty já a bordo do novo MJ 38DS.

O planejamento da ida para o Caribe começou em 2016 com a reunião dos veleiros Fisker, Tantomar, Prix e Ta lento. Ficou definido a data de saída e que após a Refeno de 2016 seguiríamos para o Caribe. Era 15 de julho de 2016 quando saímos do Guarujá. Roteiro inicial= Guarujá, Angra dos Reis, Rio de Janeiro, Cabo Frio, Búzios, Vitoria, Abrolhos, Ilhéus, Camamu, Salvador, Maceió e Recife.

A minha atual esposa, que na época era minha namorada, embarcou nessa aventura sem ter idéia do que viria pela frente, pois não tinha nenhuma experiência no mar. Seu desempenho foi muito bom e poucas vezes enjoou. No trecho Guarujá- Salvador, tivemos a bordo um casal. De Salvador até o momento, apenas nós dois a bordo.

Durante a viagem minha esposa foi aprendendo tudo sobre o barco, como traçar rotas, a função de cada cabo, enfim passou a conhecer o barco e me ajudar.

Saímos com destino ao Caribe no dia 08-11-16, de Recife. Faríamos algumas   paradas como Natal, Fortaleza, Ilha dos Lençóis, Kourou e finalmente Trinidad.

Chegamos dia 04-12-16 em Trinidad. Estávamos no Caribe, finalmente. Nosso roteiro= Trinidade, Grenada, Carriacou, Petit Martinique, Union Isle, Mayreau, Tobago Cays, Bequia, Santa Lucia, Martinique, Guadeloupe, Antígua, Saint Kitts and Neves, Saint Barthelemy, St. Martin, Ilhas Virgens Britânicas e Ilhas Virgens Americanas, Porto Rico. Cada lugar com seu atrativo e assim íamos ficando sem pressa de sair.

No fim de maio de 2017, descemos para Bonaire para fugir da região durante a época de furacões. O furacão Irma devastou toda a região que estávamos, mas a flotilha estava segura em Curaçao. Nesse ponto a flotilha se separou, pois cada um teve que resolver problemas particulares.

Como no Sul do Caribe não é área de risco, permanecemos na região de Bonaire, Curaçao e Aruba de 08-06 a 25-10. Depois seguimos para Colômbia (Santa Martha e Cartagena), Panamá (San Blas, Puerto Lindo ). Agora estamos em San Andrés, aguardando uma janela do tempo para seguirmos para Cayman e Cuba.

Na maioria dos trechos temos companhia de outros veleiros brasileiros e até estrangeiros, pois geralmente todos aproveitam as janelas de tempo para se deslocar de uma ilha para outra.

Sempre ficamos alguns dias em cada ancoragem para conhecer o local e também para reabastecer o barco com comida.  Usa-se pouco combustível na região, pois sempre tem muito vento.

Com relação ao barco, não tivemos quase problemas, só’ os normais. Um vaso sanitário entupido, uma bomba de porão queimada, uma adriça que desgastou e coisas assim.  O nosso veleiro MJ 38 vem nos atendendo muito bem, pois além de muito seguro, leve e navega muito bem. Temos todos os controles do barco como escotas, adriças, rizos no coquit pit o que facilita os controles em caso de mal tempo.

Como é normal, durante esse ano e meio no mar passamos alguns apuros como vento forte, mar alto e tempestades repentinas tanto nas navegações como nas ancoragens.

Até o momento navegamos cerca de 8.500 milhas náuticas e temos pela frente mais 10.500.

Nossa programação é sair de San Andrés por volta do dia 24-02-18 para Cayman, Cuba, Key West e depois subir a costa americana até a Carolina do Norte, para de lá cruzar para Bermuda, Açores e Lisboa, onde deveremos chegar em junho desse ano.

Em outubro iniciaremos o retorno para o Brasil, descendo a costa de Portugal, Gibraltar, Canarias, Cabo Verde e Salvador.

Nessas duas travessias do Atlântico pretendemos utilizar um telefone satelital para baixar os gribs e também receber previsões de amigos em terra. Um outro aparelho fundamental é o AIS, pois por várias ocasiões cruzamos com navios em nossa rota.

Com relação a receptividade nos diversos países, nunca tivemos problema. Sempre fomos bem recebidos como brasileiros. O que difere de um pais para outro é a política de imigração e alfandega. Alguns lugares bastante rápido e simples e outros como Colômbia e Panamá, caros e burocráticos.

Cada ilha do Caribe tem sua particularidade com relação a topografia, colonização, costumes. Com isso fica difícil dizer qual é a melhor ou mais bonita depende do critério de cada pessoa.

Dicas do Capitão Pedro Berlanga para a Navegação no Mar do Caribe

O cmte Pedro Berlanga me passou algumas dicas sobre a navegação no Caribe, por exemplo:

Entre Panamá e Cayman, prefere usar o Open Cpn, o Navionics não é muito aconselhável devido aos erros de precisão , como na aproximação das ilhas de San Blas, um arquipélago com 360 ilhas. O Navionics funciona melhor a partir de Cuba.

Um leme de vento é fundamental , pois as travessias são longas e com ventos constantes.

Uma boa âncora com bastante corrente, pois é normal ventos de 30 nós nas ancoragens. Hoje Ele tem 50m de corrente de 8mm com âncora de 15kg, e disse que seria melhor uma âncora de 25kg e 80m de corrente de 10mm para o Tá Lento.

Ter a bordo um dessalinizador, visto que a água doce não é de fácil acesso em todas as ancoragens e não é de graça.

Além das placas solares, ter um gerador eólico para aproveitar os bons ventos do Caribe.

 

Cmte Pedro Berlanga, muito obrigado por compartilhar essa bela história de Mar! Bons Ventos ao Tá Lento!!!!

 

 

 

 

Categoria: viver a bordo

Comentários

ivan aroeira campos em 12/04/2018 15:47:51
Agradeço por partilhar sua viagem
Silvio P Ramos em 26/02/2018 18:23:00
Em geral, os plotters podem modificar temporariamente a posição geográfica da carta, reposicionando ela onde está a geografia correta. Usando se o radar, reposicionamos a carta para coincidir com o radar. No Raymarine, chama Chart Offset.
Cartas de Los Roques, Tonga, estão bem fora. Não percebi erros em San Blas.
BV
Silvio
Marcos em 26/02/2018 10:28:38
Parabéns ao casal pela disposição e manter vivo o sonho de todo o velejador. Desbravar mares e sentir o vento no rosto !!
FERNANDO faro em 25/02/2018 20:13:17
Olá tá lento !!! Que legal vc está realizando um sonho ! Estou no mesmo foco por enquanto velejando pela região de Angra , e sonhando com essa hora ! Parabéns bons ventos !
ABS
Paulo Hummel em 24/02/2018 16:39:55
Parabéns, otimo o seu relato e as fotos. Bons ventos!
Valdir Rodrigues do Amaral em 24/02/2018 15:00:10
Gostei muito de sua história, é mais ou menos parecida com a minha, também perdi minha esposa em 2015 é tive que adiar a partida, mas vou sair até o início de 2019.
Estou me casando em maio, e a nova parceira gosta de mar o que ajuda bastante.
Gostaria de trocar algumas ideias sobre a viajem.
Um abraço
Marcos Duarte em 24/02/2018 13:17:19
Parabéns ao Cmte. Pedro Berlanga, ao idealizador da MJ Yachts (meu amigo Marco Lacreta) e ao time do estaleiro.
Dia desses haverá outra narrativa como essa, onde o Cmte. serei eu!
Bons ventos e saúde a todos!
MD
Maria Olivia Mello em 24/02/2018 12:11:04
Que viagem é a vida da minha amiga Chris Goia e seu marido e comandante Pedro Berlanga! Feliz por ler esse relato tão aventureiro e emocionante. Quem é de terra como eu jamais poderia imaginar que minha amiga embarcasse numa aventura como essa. Felicidades pra vocês e bons ventos ao Tá Lento! Beijos e abraços
Dorival Caetano em 24/02/2018 10:52:22
Sucesso, boa travessia, e um ótimo retorno
Um dia ainda vou fazer isto!

Fabrício Rodrigues em 24/02/2018 10:40:51
Parabéns pela coragem de viver um sonho, muito legal
Armando Junquilho em 24/02/2018 10:27:55
Meus parabéns, uma viagem inesquecível que fizeam.
É o meu sonho de navegar por águas desconhecidas.
Valeu mesmo. Só a leitura da aventura se torna emocionante.
Manoel Afonso Braga em 24/02/2018 10:07:55
Relato muito interessante e boas dicas.
Boa sorte e bons ventos na próxima jornada
ABS
Braga
Jorge Lemos Nicolau em 24/02/2018 09:54:48
Parabéns ao casal,e muita saúde para realizar esse sonho,que também é meu,e será realizado em breve.
Bons ventos!!
Paulo Vinícius Arruda Passos em 24/02/2018 03:23:12
Super bacana hiper talentosa tripulação do Tá Lento. Morri de inveja dos lugares que estiveram e o Petit Prince ainda não teve coragem de me levar.
Abração casal Christina e Pedro. Votos de excelentes navegadas
Parabéns Aldaz (aldaz com 'l' dizem que tem mais audácia) Navegante Capitão Mucuripe por mais este trabalho de divulgação do nosso maior devaneio, sair por aí levado pelo vento. Forte abraço amigo Elson (o:
Zuleide Del Nero em 23/02/2018 17:24:16
Parabéns, realmente bonita jornada,fazer o que gosta com quem ama nao tem preço.Muita sorte sempre pra vcs.bjs

Enviar comentário

voltar para Blog Velas do Mucuripe

center fwB||||||news login|c05 normalcase uppercase fwR|c05|login news c05 normalcase uppercase|c05 tsN normalcase uppercase|c05|content-inner||